domingo, 5 de outubro de 2008

A venda da Justiça.


Felizmente a internet é um mundo de informação a que hoje em dia a grande maioria da população tem acesso. Não é preciso muito esforço se quisermos ficar informados acerca do tipo de justiça e da forma como é aplicada em Portugal.

Não é a primeira nem será seguramente a ultima vez que escrevo ou que faço referencias a este tema. E porque não me sinto preso a qualquer cor partidária a ponto de não me poder exprimir com receio de poder ferir susceptibilidades, não deixarei de ser justo e manifestar o meu total desacordo quando assisto a situações pouco próprias de uma sociedade que se quer moderna e democrática.

Mário Machado foi condenado a 4 anos e 10 meses de prisão efectiva pelos crimes de ameaça, coacção agravada, detenção de arma ilegal, dano, ofensa à integridade física qualificada e discriminação racial, tendo esta última sido punida com dois anos e seis meses. Em suma, porque é de extrema-direita e pensa diferente da maioria dos portugueses ou não fosse a maioria da pena aplicada pelo último crime a que foi condenado.

Como forma de adoçar a boca a quem gosta de curiosidades, revelo aqui em baixo alguns links com casos de condenações a penas de prisão menores e suspensas. A gravidade destes crimes deixo ao juízo de cada um. Na minha opinião pessoal tenho impressão que a Justiça anda a espreitar por debaixo da venda. Mas é só a minha opinião…


“Violador de menor condenado a pena suspensa por 5 anos”

“Abusador de menor condenado a 4 anos de pena suspensa “

“4 arguídos condenados com 3 anos de pena suspensa por assalto à mão armada”

“2 anos de pena suspensa para os 2 homens que agrediram e ameaçaram com uma pistola soldados da GNR”

“5 anos de pena suspensa ao militar que violou criança”

“2 anos pena suspensa para pedófilo em Porto de Mós”

“Pedófilo com 3 anos de pena suspensa volta a aliciar jovens”



E muito mais...


6 Pinokadas:

Mlee disse...

É uma vergonha social!
Uma escandalosa valoração de critérios e uma inacreditável hierarquização de valores ...
Deixei de fazer direito penal há muitos, muitos anos, sempre achei uma área do direito que prima pela fantochada!

blueminerva disse...

Discordo. Talvez a pena aplicada não tenha sido justa quando comparada com os exemplos que apresenta. Mas talvez nos exemplos apresentados é que resida a falha. Mário Machado, não foi condenado por pensar diferente, Mário Machado foi condenado pelos crimes de discriminação racial, coacção agravada, detenção de arma ilegal, ameaça, dano e ofensa à integridade física qualificada.
Meu caro Pinoka, a liberdade não deve nem pode ser tolerante com aqueles que odeiam a liberdade!

beijocas e bom feriado

O Pinoka disse...

Mlee

Com essa maneira de pensar nunca deverias ter deixado de fazer direito penal.

Bjs



blue

Exactamente. E a pergunta que se põe é, quem odeia a liberdade neste momento? Não se pode gostar da liberdade só quando esta defende os nossos interesses ou a nossa ideologia. É aqui que eu acho que não há igualdade de tratamento. A liberdade não pode ser válida só para se defender as causas da esquerda, deve servir a todos sem excepção, seja qual for a sua ideologia, e é exactamente aqui que reside o paradoxo de algumas concepções de liberdade. Para mim é tão grave agredir por racismo como é agredir por um iPod. E não sejamos inocentes, este processo teve um tratamento especial. Todo este circo mediático é política, era necessária uma condenação destas como forma simbólica para dar a sensação de justiça, exactamente aquilo que não existe neste país, se não como se explica o Alberto João dizer à boca cheia que não quer chineses na ilha e ninguém lhe pedir satisfações?

Bjs

polidor disse...

será que eles não percebem que o cidadão bem formado lhes deprecia a atitude?...

alfabeta disse...

Será que se eu passar uns cheques sem cobertura , também tenho pena suspensa?!

Kruzes Kanhoto disse...

Por mais justificações que inventem a verdade é que o homem apenas está preso por delito de opinião. Ninguém é preso por exibir armas, se assim fosse não chegavam as cadeias existentes em Portugal.