terça-feira, 30 de setembro de 2008

O Magalhães, o Sócrates e o Povinho.

A situação comprova mais uma vez a boa performance do português numa das suas facetas em que estará seguramente à frente nas estatísticas europeias. Gastar dinheiro. Adoram.

A foto é demonstrativa da felicidade de alguém que acabou de estourar 285€ depois de ter estado cinco horas numa fila para comprar algo que muito provavelmente até teria direito e por apenas 50€.

“Não. Não vou esperar. Era só o que faltava!

A minha criança ainda nem vai para a escola, mas este é muito mais bonito que o do Noddy que está lá em casa e até já perdeu uma tecla quando no outro dia lhe caiu em cima o Action Man . E faz muito mais coisas. Alem disso na eventualidade de se estragar depois a escola dá outro por uns trocos.

E mais, ainda tenho o desconto da FNAC que me dá para comprar outro que por sua vez me dá desconto e assim sucessivamente.”

Algum há-de ficar de borla. Podem crer que é assim que se pensa por cá.

Tirando o ridículo da realidade em cima mencionada, o “Magalhães” é de facto espectacular (ver vídeo em baixo).

Mas como não há bela sem senão tal como diz o ditado, o aparelho e o seu sucesso não poderiam deixar de ser utilizados para fins menos didácticos a começar logo por quem o lançou.

No meio de tanta euforia motivada pela ânsia da curiosidade em conhecer o “Magalhães”, o ultimo grito da informática portuguesa ou pelo menos semi-portuguesa, o que nos fica na retina através da propaganda é um senhor de cabelo grisalho e nariz abatatado com ar simpático e de bem feitor que oferece a todas as criancinhas um computador. Sejam elas riquinhas ou pobrezinhas.

Concordo plenamente com a introdução deste meio de aprendizagem nas escolas. Agora, os moldes em que está a ser introduzido são de um oportunismo atroz.

Continuam a subsistir problemas graves na educação e este Pai Natal tecnológico teima em atirar areia para os olhos do povo.

A par de não ser um objecto indispensável no ensino básico junta-se o facto de ser pago pelos contribuintes este esbanjar de equipamento informático para o qual ainda nem os professores têm formação adequada afim de o introduzir nos seus métodos de ensino.

Vamos ser pragmáticos, este computador não aquece nem arrefece nos primeiros anos do ensino básico, e deveria ter um papel muitíssimo secundário até ao fim do quarto ano de escolaridade. É que muito provavelmente num futuro próximo ninguém saberá fazer letras manuscritas assim como hoje serão muito poucos os que frequentam o ensino secundário e conseguem fazer contas de cabeça ou no papel sem ajuda de uma calculadora.

9 Pinokadas:

Anónimo disse...

Assim é que se fala... Vai lá vai, até a assembleia abana. Boa Pinoka valeu p'rta caçete; Adorei, continua a dar no GRISALHO que ele mereçe, só se perdem as que não são ditas.

Diabólica disse...

Deliciei-me a ler o teu post. Realmente é uma pouca vergonha, os argumentos que este aldrabão usa para nos dar cabo das contas públicas.

Tal como tu, não vejo interesse nenhum em existirem computadores no ensino básico.

A não ser claro, perdermos a capacidade da escrita. Os nossos filhos já não sabem fazer contas sem a calculadora, muitos já nem falar sabem, usam um jargão que até dói... Enfim, agora só falta mesmo deixarem de saber escrever!

Que vergonha! A próxima iniciativa do nosso P.M deve ser que as nossas crianças tirem um curso superior como ele fez....

Parece que já faltou mais!

Abriste-me o "apetite" para fazer um post que também demonstra claramente o que este senhor quer fazer com a educação no nosso país.

Beijinhos diabólicos.

alfabeta disse...

Concordo com o que escreveste, tudo o que pode acontecer daqui para a frente é a causa das novas eleições que estão próximas, é para o zé povinho achar que ele é um grande ministro, foi fazer uma festa à Americana como ele próprio disse em Guimarães, com a crise que temos financeira.Deviamos era ter ordenados à Americana em vez de festas desnecessárias.

Mariazinha disse...

Vive-se num país onde há duas realidades:

A nossa e a dos governantes e sua corte.Há que começar a acordar consciências. Iste estado de coisas não pode durar muito mais.

Beijokas

polidor disse...

esta foi uma boa ideia

Teté disse...

Bom, o consumismo exacerbado não é apanágio apenas dos tugas, se bem que estes, tendencialmente, terem mais propensão a endividarem-se para lá do limite do razoável!

E sim, não há dúvida que é pré-campanha eleitoral do narigudo! Mas isso já vai sendo habitual, qualquer que seja o partido que está no poder.

Quanto às crianças, não resolve não os problemas escolares de aprendizagem, longe disso!

Bom resto de semana para ti!

Menina disse...

Nunca percebo estas pessoas que querem ter tudo primeiro que os outros...5 horas!!! Fogo..

ps: desculpa esta ausência, com a nova fac tem sido complicado acompanhar todos os cantinhos!

beijo*

Estafermococus disse...

Não sejas mau para o Sr. Pinto de Sousa, o Magalhães é a Salvação.

Azoth Diamante* azul disse...

É o "choque tecnológico" do Zézinho.
O pior é que o choque tecnológico já lhe chegou à "pene".