sábado, 6 de dezembro de 2008

Reflexão a uma simples lei lógica que vira ilógica com frequência.

Existe um processo em tribunal. Acusação e defesa, ambas têm testemunhas.

As testemunhas juram falar a verdade e só a verdade, sob pena de incorrer num crime de falsas declarações.

A partir daqui sem nos dar conta, um simples processo pode transformar-se numa avalanche de crimes e que coerentemente deveriam originar novos processos. Seria uma espiral sem fim.

Quando se dá razão a uma das partes é porque se desacredita a outra. E que pretexto serve para uma desvalorização da prova? A incoerência, a falta de consistência ou lógica da declaração, em suma, a presunção da falsidade do testemunho. Logo, numa lógica simples deveria ser iniciado um processo contra quem foi desacreditado e jurou dizer a verdade.

Numa sentença não existe “assim-assim”, ou se condena porque se faz prova, ou se absolve porque não foi suficiente. Não foi suficiente porquê? Ninguém diz em tribunal “Eu só vi um bocadinho do tiro…”, “Ah eu só ouvi meio grito…”, é possível afirmar que não viu, não ouviu ou não se lembra, mas quando alguma testemunha conta uma história convicta do que diz e a sua parte perde em tribunal tendo como base o seu depoimento, então mentiu segundo a lógica.

Agora o mais cruel. Quem decide o mentiroso é a competência ou incompetência de um juiz. Sim, porque nem todos são justos como se exige.

Posto isto, e depois de meditar sobre o assunto chego à conclusão de como é bom que por vezes a lei lógica dos homens seja convertida à imagem de quem a cria, os ilógicos.

PS – Já se acabava com o “ Juro dizer a verdade e só a verdade…”

8 Pinokadas:

Mlee disse...

Bem vindo ao meu mundo...

Susanyttah disse...

Pois, quando as provas não confessam a verdade, as palavras das pessoas não serão de certo os factos mais confiáveis, mas é a justiça que temos e o que podemos ir fazendo.

Beijo

Azoth Diamante* azul disse...

Muitas vezes com testemunhas compradas ou será que devo dizer vendidas. Mundo cão...

Beijoca.

Angelik disse...

Se condenassem aqueles que dizem "meias" verdades )ou declarações incoerentes ou inconsistentes), não haveria nem advogados, nem juízes, nem sistema judicial que chegasse...

Beijocas

polidor disse...

ora estes são realmente os ambientes pouco recomendáveis, não interessam sobretudo a inocentes...

Teté disse...

Ah, mas as coisas não são assim tão preto no branco! Se reunires um grupo de pessoas que presenciou um crime, cada uma tem a sua versão. Nem sempre a não-verdade corresponde a uma mentira descarada.

Um indivíduo pode ser condenado por um homicídio, por exemplo, sem qualquer testemunha assistir ao acto em si. Imagina: ele sai do café e brada que vai matar o fulano tal. Alguém o vê de arma em punho perto da casa do dito. Um vizinho ouve um tiro e quando chega à janela vê o morto no chão e o outro próximo com a pistola na mão. 3 testemunhas que podem levar à condenação do suspeito. Mas imagina que, entretanto, surgiu alguém em cena, que ninguém viu, aproveitando o clima de desentendimento e querendo também matar o fulano, rapa da pistola da mão do outro, atira, larga a arma e foge...

OK, bem sei que isto é Agatha Christie a mais, mas em algumas "franjas" pode acontecer! Ninguém mentiu, mas o conhecimento de cada pessoa é parcial.

Enfim, o tema dá "pano para mangas", porque há realmente muita gente que mente deliberadamente em tribunal, a começar pelos próprios acusados...

Jinhos e bom feriado!

P.S. - Gosto da tua selecção musical!

O Pinoka disse...

Mlee

Este teu mundo ainda é mais complicado do que parece.
Bjs


Susanyttah

E a mais não somos obrigados...
Bjs


Diamante Azul

Existe maldade suficiente para haver falsas testemunhas mesmo de borla. Acredita.
Bjs


Angelik

É verdade. Ele assim já não chega mesmo com tribunais a mais...
Bjs


Polidor

Nem aos culpados, pode sempre haver um engano...
Abraço


Teté

É verdade que alguém pode ser condenado num cenário desses, mas por ilação de quem julga. Todas essas testemunhas ao dizerem o que sabem nenhuma mente mas nenhuma pode afirmar que viu o crime ser consumado. E acredita que há quem seja capaz de dizer que não só viu o disparo como ainda viu carregar a pistola, mesmo que nesse dia tenha estado no outro lado do planeta.

PS - Fico contente por gostares da selecção musical. Digamos que é um bocadinho alternativa, vai tendo um bocadinho de tudo.

Bjs

alfabeta disse...

Juro que vou dizer toda a verdaldra.

Está bem asim?! lol