sexta-feira, 9 de abril de 2010

Os socialistas são exímios em "bestas". Ou as tem no partido, ou as soltam da cadeia. Ou ainda as duas coisas.

Graças ao Partido Socialista e ao seu director-geral dos Serviços Prisionais, Rui Sá Gomes - e digo seu porque foi nomeado pelo partido do governo -, Marcus Fernandes, que em 2005 assassinou brutalmente dois polícias poderá ser posto em liberdade já em 2011, quando completar apenas 6 anos e três meses dos 25 anos de pena a que foi condenado, e como este, variadíssimos outros animais da mesma estirpe podem usufruir da lei.
È bom lembrar que o Código de Execução de Penas que entra em vigor na próxima segunda-feira e que permite este tipo de habilidade foi aprovado pelo Partido Socialista e só pelo Partido Socialista.

Para quem já não se lembra, este belo exemplo que será posto em liberdade brevemente, além de ter um mandado de captura internacional, devido a um homicídio cometido no Brasil e a suspeita de ter sido autor de outros quatro, acabou mesmo por matar dois policias em Portugal e ser condenado á pena máxima de 25 anos prisão por um colectivo de juízes em tribunal que agora vêem um administrativo que tem a cargo a direcção geral dos serviços prisionais desautorizá-los e decidir livremente quem deixa preso e quem solta.

È inadmissível, é nojento pensar que um qual quer incompetente e mal formado, nomeado por um grupo de amigos em que o líder é alguém chamado Sócrates, tenha em mãos a segurança de um país.

Transcrevo trechos da notícia que refere a sentença de que este animal foi alvo para relembrar de quem se trata.

“O Tribunal da Boa Hora condenou Marcus Fernandes à pena máxima (25 anos) de prisão pela morte de dois agentes da PSP e pela tentativa de matar um terceiro. O colectivo de juízes considerou que o arguido executou os crimes "com frieza" e não mostrou arrependimento.”

“O arguido foi condenado a 23 anos de prisão pela morte de cada um dos agentes - António Abrantes e Paulo Alves -, e a 14 anos de prisão por tentativa de homicídio do agente Pedro Pereira, tendo, em cúmulo jurídico, sido aplicada a pena máxima.”

“O tribunal deu como provado todos os factos que constavam da acusação do Ministério Público (MP), entendendo que o arguido teve "uma conduta especialmente censurável e perversa" e "executou os factos (criminosos) com frieza". Considerou ainda que o arguido, de 31 anos, teve a "noção clara de que matou duas pessoas", mas que, apesar disso, "só pensa em si". "Não teve um momento de arrependimento. A sua consciência não lhe pesa", declarou a juíza Ana Paula Conceição, que classificou o homicida como um indivíduo "frio e perverso". “

“Marcus descarregou todas as 45 munições da sua pistola Glock em cima de três agentes que simplesmente lhe tinham pedido a identificação. A violência, a frieza, a destreza com que efectuou o acto foram destacadas pelo tribunal que o condenou.”



Agora vejamos:


É condenado a 60 anos de prisão, mas em Portugal como se respeita mais os criminosos do que as vitimas, apenas é condenado em cúmulo jurídico a 25 anos de prisão efectiva, - pena máxima em Portugal -, ora se não me falham as contas, a besta já teve de lucro 35 anos de liberdade e como se não bastasse vai ter a oportunidade que lhe ofereçam mais 18 anos e 9 meses.

Fantástico!


Obrigado Socialistas.



Gostam? Então votem neles outra vez.



...


4 Pinokadas:

opolidor disse...

esta custou a engolir, parece inacreditável...
abraço

Estafermococus disse...

Pois não duvides que votam, sim. Ou neles ou noutros iguais.

Azul Diamante azul disse...

Surrealista para não dizer maquiavélico. Tudo de bom Pinoka

v. disse...

Há que virar isto tudo do avesso. MESMO