segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

1-0 Ganha o Paulo Portas.



Por muito que custe a quem já o criticou noutras circunstancias (que até é o meu caso), vale a pena reconhecer que tem sido o único a mostrar preocupação verdadeiramente com a segurança de Portugal e dos portugueses.

6 Pinokadas:

Tijoão da Tasca disse...

Só não vê quem não quer !
Somos um povo de brandos costumes até um dia, que já está perto !
Abraço

Mariazinha disse...

Pois,eu já nem digo nada...
Eu sendo vitima de roubo 2 vezes no mesmo mes,já fui chamada de racista porque disse a nacionalidade do ladrão!

Beijos

Jorge P.G disse...

POIS, mas quando foi Ministro da Defesa fez o quê?
Na Oposição e no Governo são todos iguais...

Um abraço.

Anónimo disse...

Notícia Lusa


Brasil: Polícia Federal aconselha "cautela" quanto à afirmação de que criminosos brasileiros actuam em Portugal
04 de Março de 2009, 19:12

Brasília, 04 Mar (Lusa) - A Polícia Federal (PF) do Brasil disse hoje que "é preciso cautela" antes de se afirmar que existem ou não ramificações de facções criminosas brasileiras em Portugal, numa reacção a um relatório do Departamento de Estado norte-americano.

O relatório, datado de 27 de Fevereiro e citado na comunicação social portuguesa e brasileira, indica que as facções criminosas Primeiro Comando da Capital (PCC), de São Paulo, e Comando Vermelho (CV), do Rio de Janeiro, aumentaram a sua presença internacional, actuando na Bolívia, Paraguai e "possivelmente" em Portugal.

O documento adianta que essas facções criminosas brasileiras ampliaram também as suas ligações com o narcotráfico colombiano e mexicano.

Contactada pela Agência Lusa, a Polícia Federal do Brasil afirmou ter conhecimento do relatório dos Estados Unidos da América (EUA), mas avançou que as autoridades portuguesas não solicitaram até agora qualquer informação sobre supostos brasileiros a viver em Portugal com ligações ao crime organizado.

"Já existe uma cooperação entre as Polícias Federal e Judiciária [portuguesa] e estamos à disposição das autoridades de Portugal para prestar informações que possam ser úteis no caso", destacou a PF.

O relatório do Departamento de Estado norte-americano traça um painel da situação das drogas no mundo, tendo sido hoje manchete na Folha de São Paulo.

O jornal divulga um mapa das ligações dos criminosos, onde Portugal aparece como porto de entrada para a Europa da cocaína traficada de países andinos, via Brasil e Venezuela.

A imprensa portuguesa é citada no relatório dos EUA sobre o surgimento do Primeiro Comando de Portugal (PCP), que seria formado por imigrantes brasileiros e actuaria principalmente na margem Sul do Tejo, na Grande Lisboa.

Os jornais portugueses citaram fontes policiais para apontar a ligação de dois brasileiros ao PCP.

A Polícia Federal do Brasil disse hoje que "é preciso cautela" antes de dizer que existe ou não ramificações de facções criminosas brasileiras em Portugal.

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), uma instituição portuguesa, emitiu um "esclarecimento" no dia 14 de Janeiro garantindo que "não existem quaisquer indícios quanto à permanência e actividade de elementos do Primeiro Comando da Capital (PCC) em Portugal".

Para a coordenadora do Núcleo de Estudos em Criminologia e Direitos Humanos da Universidade Federal Fluminense (UFF), é preciso haver um estudo sério para sustentar a alegada existência de brasileiros no crime organizado em Portugal.

"É muito temerário fazer uma afirmação desse tipo. Isto tem que ser sustentado por uma pesquisa séria, com dados bem fundamentados", disse Edna Del Pomo de Araújo à Lusa.

A sociológa admitiu que isso pode reforçar estereótipos negativos do brasileiro e ocasionar até problemas diplomáticos.

"Isso é péssimo para a imagem do Brasil no exterior e pode gerar até conflitos diplomáticos, caso haja um cerceamento maior das autoridades à entrada de brasileiros no país", assinalou.

O relatório anual do Departamento de Estado norte-americano, que usa dados tanto da secreta dos EUA quanto de outros países, refere ainda que crescem as ligações do PCC e do CV com traficantes colombianos e mexicanos.

A receita no exterior ajudaria os criminosos brasileiros a comprar armas e a manter o controlo de favelas em cidades como Rio de Janeiro e São Paulo.

O Brasil é apontado no relatório como um dos 20 principais produtores e corredores de drogas do mundo e um dos 60 maiores branqueadores de capital.

O Brasil é citado igualmente como o segundo maior consumidor de cocaína, atrás apenas dos EUA.

Apesar dos protestos dos Governos do Brasil, Argentina e Paraguai, os norte-americanos insistem também que a região da Tríplice Fronteira é fonte de financiamento para terroristas.

Os nomes dos grupos radicais Hezbollah e Hamas são mencionados no relatório como beneficiados.

CMC/TQ.

Lusa/Fim

O Pinoka disse...

Jorge P G

Isso é verdade, na oposição e no governo são todos iguais, mas seria inteligente aproveitar propostas da oposição quando fazem todo sentido, sejam elas da direita ou da esquerda.
O problema é que a arrogância partidária prefere errar duas vezes a ceder em questões lógicas.
Abraço

O Pinoka disse...

Anónimo

Informação importante. Embora já tivesse conhecimento nunca é de mais registar.
Obrigado.