quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

Prioridades na justiça

Na sequência do post anterior, deixo aqui as prioridades das respectivas autoridades competentes (ou talvez não), para termos uma ideia por quem somos governados.

Hoje na comunicação social o Dr. Pinto Monteiro vem falar de algo que o preocupa. Importa dizer que para mim será sem dúvida actualmente a pessoa mais séria do actual panorama judicial e politico, sem papas na língua, sem medo de assumir que não está de acordo com o governo em determinados assuntos e sem medo de assumir que não admite ficar subjugado a caprichos deste ou daquele ministro e respectivo governo. Até agora tem o meu voto de confiança.

Depois vem o “competentíssimo” Ministro Rui Pereira dizer de facto o que o preocupa. Ficamos assim esclarecidos quanto a prioridades. Deduzo que para este é dinheiro.

Pinto Monteiro
O procurador-geral da República, Pinto Monteiro afirmou que “há actualmente uma violência muito mais organizada do que havia”. “A violência não aumentou, não há mais casos registados. Há, sim, crimes mais agressivos, com mais eficácia. São mortes mais profissionais, praticamente execuções”, considerou o magistrado.

Rui Pereira
O Governo vai lançar,em 2008, um concurso para a instalação de 100 radares destinados a reduzira velocidade, anunciou o ministro da Administração Interna, Rui Pereira.“Em 2008 vamos desenvolver um plano para combatero excesso de velocidade e para esse combate, efectivamente, a colocação de radares é importante”, afirmou.

in Global

3 Pinokadas:

Armando S. Sousa disse...

As prioridades são diferentes.
Enquanto Pinto Monteiro está preocupado, com o verdadeiro crime que retira qualidade de vida aos cidadãos, Rui Pereira, um dos ministros a prazo, está preocupado a extorquir dinheiro aos cidadãos.
Um abraço.

Pedro Lopes disse...

Caro Pinoka,

também partilho da sua opinião acerca de Pinto Monteiro. Sinto-me mais tranquilo com Homens deste calibre e frontalidade à frente da PGR.

Rui Pereira há muito que deve ter deixado o mundo real. Também eu sou sensível à sinsitralidade rodoviária, mas quando no país cresce uma criminalidade muito mais violenta e organizada do que aquela que conheciamos, temos de direccionar os nossos esforços (que é quase sempre dinheiro) para essas àreas mais sensíveis e que têm de ser "abafadas" à nascença. Não deixar crescer o Polvo.

cumprs.

martelo disse...

o Dr P. Monteiro parece até agora um desafiador com coragem, mas veremos o que ainda falta...